ROTEIRO EDUCATIVO

Programar e organizar visitas de estudo é uma forma de os professores proporcionarem aos seus alunos oportunidades diferentes que lhes permitem reforçar ou expandir as indicações constantes do seu currículo escolar, pois permitem que aprendam para além do que este recomenda. Ao contribuir para que os alunos alterem o seu contexto de aprendizagem e rotinas diárias, despertam interesse, motivação e curiosidade em descobrir mais sobre determinado tema em estudo. Proporcionam-lhe, igualmente, a experiência de novas aprendizagens e têm um impacto positivo no desenvolvimento de aprendizagens futuras, na medida que possibilitam que aprendam de forma divertida, propiciam aprendizagens facilmente recordadas, e promovem a aprendizagem ao longo da vida ao demonstrar – lhes que é possível aprender para além do contexto da sala de aula. Sendo assim, as visitas de estudo constituem-se como instrumentos com grandes potencialidades pedagógicas. Integrados em projetos de pesquisa e intervenção, são insubstituíveis na construção de um conhecimento aberto ao meio local, nacional e até internacional. Também pela sua componente lúdica, as visitas de estudo propiciam uma melhor relação aluno-professor ou aluno-aluno e devem ser entendidas como mais do que um simples passeio.

É desta forma que é entendida a visita de estudo realizada ao Porto, nos dias 11 e 12 de abril, com os alunos dos cursos Profissionais do Ensino Secundário e do 11º ano, com um roteiro próprio para cada uma das áreas de formação dos participantes. Assim, os alunos dos cursos profissionais, no dia 11, visitaram a casa da Música e a Casa da Árvore e, no dia 12, participaram num workshop, na Casa das Profissões, vocacionado para a procura de emprego; os alunos do ensino regular realizaram um passeio pelo Porto Monumental, no dia 11, com uma visita guiada à extraordinária igreja barroca de Santa Clara, visitaram o Museu Soares dos Reis, no dia 12, e participaram, no Museu de Serralves, no workshop “ENCONTROS NO MUSEU: ARTE CONTEMPORÂNEA E ARQUITETURA”. Esta atividade, que teve como ponto de partida a exposição "Álvaro Lapa: No tempo todo” (a mais abrangente retrospetiva da obra deste artista autodidata e escritor (Évora, 1939 — Porto, 2006)), proporcionou um exercício sobre a arte contemporânea e sobre a arquitetura do próprio museu, associando ao exercício do diálogo a partilha e a exposição teórica de saberes em torno do artista, da sua obra, dos valores estéticos e juízo de gosto, razão e sensibilidade e as relações entre imagem e texto (o verbal e o visual).

De regresso a casa, era visível a satisfação de todos os participantes, com a certeza de que todos terão consciência de que esta visita serviu para desenvolver a capacidade de observação, espírito crítico análise e comunicação dos alunos.

 

 

CELEBRAR A EUROPA

No âmbito do programa educativo "Escola Embaixadora do Parlamento Europeu", um programa transfronteiriço impulsionado, em simultâneo, pelos Gabinetes de Informação do Parlamento Europeu, sitos em todos os Estados-membros, e cujo objetivo é facultar aos alunos do ensino secundário regular e profissional conhecimentos para uma maior consciencialização dos jovens no tocante à cidadania europeia, realizou-se na nossa escola mais uma atividade, desta vez com a presença da Dr.ª Alice Cunha, coordenadora do programa, e do Dr. José Martins, representante do Parlamento Europeu.

O programa teve início com os alunos de 6º ano a tocarem o hino da Europa, dando as boas vindas aos convidados, presentes no polivalente. De seguida teve lugar uma palestra na biblioteca, proferida pelo eurodeputado Miguel Viegas, para uma plateia entusiasmada de alunos, professores e assistentes operacionais da escola, encerrada com a apresentação do trabalho defendido por esta escola no projeto Euroscola e que vai a Lisboa defender o distrito de Bragança. Seguidamente, os embaixadores juniores e séniores do projeto, bem como alguns convidados, deslocaram-se ao salão polivalente, a fim de poderem apreciar cada uma das mesas representativas dos países da União Europeia, todas elas decoradas com objetos característicos do país em questão e com informação pertinente sobre hábitos, cultura, turismo, gastronomia, entre outros aspetos.

Esta atividade revestiu-se de um grande interesse para toda a comunidade educativa, uma vez que todos os países membros da União Europeia estiveram representados, podendo, quer os participantes (alunos e professores que levaram a cabo a pesquisa e a recolha de informação sobre os diferentes aspetos caraterizadores dos países representados) quer os visitantes/convidados observar desde imagens a objetos icónicos dos 28 países da EU e também degustar as iguarias típicas desses mesmos países, percorrendo as diferentes bancadas, representativas de cada um. A título de exemplo, todos puderam deliciar-se com a típicas “moules” com batata frita, ainda bem quentinhas, os tradicionais wafels com chocolate, morangos ou mel e as caraterísticas bolachas “belgas”, na Bélgica, o chucrute, tão caraterístico da Alemanha, as empanadas espanholas, os crepes franceses, uma sopa fantástica da Áustria, os cuscos de Vinhais ou os deliciosos pastéis de bacalhau portugueses. A festa terminou com o Bolo da Europa.

 

Sem sombra de dúvida de que todos os envolvidos terminaram este dia mais informados sobre a importância quer deste tipo de projetos quer sobre as instituições da EU, nomeadamente o Parlamento Europeu.

 

 

 

 

 

 

 

 

Visita ao Barroco

 

Cumprindo a tradição e o programa, duas turmas de 8º. Ano efectuaram uma visita de estudo ao Porto para visitar, ver e compreender a Arte Barroca, através de monumentos bem vivos da nossa História.

Organizada pelo professor de História, Luís Ferreira e acompanhado pela professora de História Fátima Alonso, as turmas A e B do 8º. Ano, passaram um dia diferente e longe do bulício da Escola. Integraram-se muito bem no espírito da visita e a ansiedade tomou conta destes jovens, sempre à procura de coisas novas.

O objetivo era ver especialmente o trabalho em Talha Dourada que tanto no interior da Igreja de S. Francisco como no interior da Igreja do Carmo, no Porto, se pode admirar. Acompanhada a visita da Igreja de S. Francisco por um guia local, eles puderam retirar o máximo de saber sobre tudo o que lá viram e foi muito.

A Torre dos Clérigos, ex libris da cidade do Porto, foi admirada por todos que logo se prontificaram para registar o momento numa fotografia nas escadarias de acesso à Torre.

Depois da visita à Igreja do Carmo, teve lugar um momento de descanso e lazer que foi ocupado com umas guloseimas que mesmo alí ao lado, uma pastelaria lhes serviu. Foi o recarregar de baterias para o regresso a Vinhais.

Um dia bem passado e muito proveitoso. De realçar o bom comportamento de todos os alunos, para além de umas graçolas que sempre gostam de lançar. Nota positiva.

 

 

VISITAR PARA APRENDER E CONHECER

No passado dia 22 de fevereiro, os alunos do 6º ano e do 7º, e alguns do PIEF realizaram uma visita de estudo ao Porto, mais propriamente à Casa da Música, com o objetivo de ficar a conhecer, presencialmente, este grandioso espaço cultural, as suas atividades e, também, ficar a saber mais sobre o edifício, do ponto de vista arquitetónico.

A viagem teve início com a partida de Vinhais às 9.00 horas e chegada ao Porto às 12.30h. Durante o percurso, ouviu-se música, jogou-se às cartas, contaram-se anedotas, enfim, as brincadeiras habituais que tornam estas viagens muito divertidas. Apreciar a paisagem, foi, também, um entretenimento de muitos. Muito festejada foi a passagem pela praia de Matosinhos, antes de chegar à cidade invicta. Do roteiro da viagem tinha de fazer parte o Centro Comercial, pelo que a animação continuou no Mar Shopping, onde se parou para o almoço.

A visita à Casa da Música iniciou-se às 15.30h, pela sala de concertos, onde se pode observar o palco com os instrumentos que constituem a orquestra. As salas Laranja e Roxa, destinadas à diversão das crianças enquanto os pais assistem aos espetáculos, o bar suspenso e as janelas onduladas foram aspetos que despertaram a curiosidade dos jovens visitantes. O guia, ele próprio um transmontano, que os levou até à sala de exposições, falou da história da Casa da Música, nomeadamente o facto de ter a aquele desenho arquitetónico tão fora do comum.  

De regresso à escola, onde chegaram por volta das 20.00h, os alunos vinham cheios de entusiasmo, pois, nas suas palavras, vinham mais ricos, uma vez que ficaram a saber mais sobre música e visitaram um espaço novo para eles.

Alunos do 7º B

 

 

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. AFONSO III, VINHAIS RECEBE VISITA DO EURODEPUTADO ANTÓNIO MARINHO E PINTO

No âmbito do Programa pedagógico Escola Embaixadora do Parlamento Europeu, a visita do eurodeputado Marinho e Pinto constituiu-se como mais uma das atividades em curso no Agrupamento, no sentido de promover a consciencialização para a Europa / União Europeia e para a democracia parlamentar europeia entre os jovens, proporcionando-lhes um conhecimento ativo sobre a União Europeia em geral e o Parlamento Europeu em particular.

Esta palestra do eurodeputado pretendeu contribuir para uma maior consciencialização dos alunos do ensino secundário regular e profissional no tocante à cidadania europeia, aos valores humanistas da União Europeia e ao papel que a EU desempenha no nosso quotidiano, bem como sobre o poder de decisão democrático do Parlamento Europeu. Com esta palestra, ficou também claro que os políticos, através do diálogo e de um contacto de proximidade com os jovens, podem promover a Cidadania, que se traduz numa atitude e num comportamento, num modo de estar em sociedade, que tem como referência os Direitos Humanos, nomeadamente os valores da Igualdade, da Democracia e da Justiça Social, promotores da Paz entre todos os cidadão, valores caros à União Europeia.

Com um auditório numeroso e atento, o encontro teve início com uma breve apresentação do eurodeputado Marinho e Pinto, por parte do Diretor do Agrupamento, que lhe deu as boas vindas e agradeceu a sua presença na escola. Tomando a palavra, Marinho e Pinto começou por explicar o facto de ter aceite o convite que lhe foi endereçado pela escola, afirmando que a sua preocupação, enquanto eurodeputado, e no âmbito deste projeto, é apoiar escolas marcadas pela interioridade, distantes de todos os centro de decisão e com difícil acesso a bens e equipamentos culturais ou outros. Conhecido pelas suas intervenções polémicas enquanto personalidade pública e política, não se escusou a explicar o que quis dizer quando afirmou que o Parlamento Europeu era apenas uma figura decorativa da União Europeia. Com o decorrer da sua exposição, uma espécie de “aula livre” sobre a União Europeia e os seus valores, desde o início da sua construção, em 1950, até à atualidade e projeção no futuro – o Brexit não podia deixar de ser abordado -, ficou clara a importância das suas instituições e dos valores que defende, sobretudo os de Solidariedade e de Bem estar Social, ao ponto de os países que a constituem serem tomados como referência mundial no que diz respeito ao acesso a bens essenciais como sejam a educação e a saúde, e o direito à reforma.

No final da sua intervenção respondeu com clareza e simpatia às questões que lhe foram colocadas pelos alunos. Percebeu-se que muito gostaria ainda de dizer Marinho Pinto, mas, por razões de agenda, não foi possível prolongar o debate. Deixou, no entanto, uma mensagem fundamental: para se ultrapassarem os desafios da sociedade competitiva do futuro, é fundamental o papel da educação e da Escola, e o conhecimento será a melhor ferramenta para se estar preparado. Por isso, “estudar, estudar, trabalhar, trabalhar!”

 

Portas abertas aos deputados europeus

 

Não é a primeira vez que nesta escola se discute a Europa e os problemas europeus e também não é a primeira vez que alguém ligado ao Parlamento Europeu aqui vem em sua representação para elucidar os alunos sobre o que significa estar na Europa.

Desta feita esteve entre nós o deputado Marinho e Pinto. Recebido nesta escola e na nossa biblioteca com as mordomias mínimas indispensáveis à sua posição, veio falar sobre a Europa, o Parlamento Europeu e a juventude europeia, à qual os nossos alunos pertencem. Gostou de estar entre nós e os alunos gostaram do que ele disse.

Resta-nos esperar pelos outros deputados que, no âmbito do Programa Educativo Escola Embaixadora do Parlamento Europeu, virão também aqui dizer de sua justiça o que pensam sobre esta Europa que tão maltratada é muitas vezes por quem a não entende. É complicado, muito complicado entendê-la, mas deve ser entendida e rapidamente. Afinal, estamos todos dentro do mesmo barco!

Professor Luís Ferreira

 

Joomla Template by Joomla51.com